Atualizações de segurança para curvar as vulnerabilidades do processador podem ter um impacto “significativo” no desempenho de computadores e servidores, mesmo os mais recentes. A admissão da Microsoft é a primeira de uma empresa de tecnologia e chega alguns dias das declarações da Intel que falaram sobre impacto “não significativo” para a maioria dos usuários. Amd, outro fabricante na falha do buraco do chip, definiu o impacto “insignificante”, enquanto que para a Apple, as atualizações “não resultaram em uma redução mensurável no desempenho”.

O que diz o vice-presidente

Em um post assinado pelo vice-presidente Terry Myerson, a Microsoft faz um balanço do desempenho dos dispositivos de TI em relação às diferentes falhas de segurança: Meltdown, que afeta somente os processadores Intel e Specter, que existe em duas variantes e também afeta os produtos da Amd e braço. No caso de Meltdown e a primeira variante da Specter, as ações necessárias para proteger os computadores têm “um impacto mínimo no desempenho”, explica a empresa. Mas para a segunda variante do Specter o impacto é perceptível. Com os processadores produzidos em 2016 e 2017, como o Intel Skylake, a maioria dos usuários do sistema operacional Windows 10 não perceberá alterações, porque a desaceleração está na ordem dos milissegundos, escreve Myerson.

Desaceleração

Com os processadores produzidos até 2015, como Haswells da Intel, “a desaceleração é mais significativa”. Nos PCs com o Windows 10, “esperamos que alguns usuários notem uma diminuição no desempenho”, enquanto que em PCs com sistemas operacionais anteriores, Windows 7 e Windows 8, a queda de desempenho será detectada “pela maioria dos usuários”.